segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Artigo de Paulo Afonso Linhares

QUEM MATARIA O JUIZ MORO?

Paulo Afonso Linhares

       
O escritor peruano Mario Vargas Llosa, prêmio Nobel de Literatura de 2010, é um dos mais lidos escritores hispano-americanos da geração dos anos '70 do século XX. Embora  menos talentoso e carismático, ele pode ser considerado uma versão direitista de Gabriel Garcia Marquez. Sim, Vargas Llosa tem aliado a sua atividade literária com a militância política, que começou no campo socialista, em sua juventude, quando apoiava entusiasticamente a Revolução Cubana, porém, mudou a direção para o lado liberal-conservador e chegou a  concorrer à presidência do Peru, em 1990, pela coalizão liberal de direita Frente Demócrata (FREDEMO), em que venceu o primeiro turno, porém, perdeu a eleição no segundo turno para Alberto Fujimori. Desgostoso com o veredito das urnas, deixou sua pátria e obteve a cidadania espanhola em 1993, onde até se tornou um dos pares do Reino da Espanha, agraciado que foi, em 2011, pelo rei Juan Carlos I, com o pomposo título de nobreza de Marquês de Vargas Llosa.
         Na militância política cada vez mais conservadora, Vargas Llosa tornou-se um autêntico e não menos chato boquirroto, mesmo porque há sempre seletas plateias e importantes veículos da mídia mundial dispostos a ouvir o que diz alguém que tem o poderoso charming de manter na prateleira uma dúzia dos prêmios literários mais importantes, à frente o Nobel de Literatura. Assim, o Marquês de Vargas Llosa aproveita o prestígio e ‘desce a chibata’ conservadora ao analisar, sobretudo, os altos e baixos da volátil política sul-americana. 
          Aliás, como pensador político estaria a anos-luz atrás do peruano, um nobre inca, na verdade, chamado Felipe Guamán Poma de Ayala (1534–1615), que escreveu em forma de carta ao rei espanhol Felipe III, entre 1600 e 1616, com inimagináveis 1.180 páginas de texto manuscrito com 397 desenhos de ilustrações, intitulada El primer nueva crónica y buen gobierno (A primeira nova crônica é bom governo), que se constitui o mais importante libelo contra as atrocidades dos colonizadores espanhóis na América. Lastimavelmente, a crônica nem chegou a ser lida pelo soberano espanhol, que certamente não daria qualquer importância ao escrito de Poma de Ayala, porquanto o manuscrito desapareceu no percurso para a Espanha. Muitos anos depois foram encontrados os originais que hoje fazem parte do rico acervo da Biblioteca Real da Dinamarca. A leitura dessa crônica faz de tudo que escreveu o Marquês de Vargas Llosa ridículos espasmos literários e do seu autor um liliputiano em dignidade e amor à terra em que nasceu. Certamente, Poma de Ayala jamais seria um par - barão, conde ou marquês - do reino sanguinário que conquistou seu país e escravizou o seu povo.
   Doutra parte, em recente artigo escrito para o jornal El País, da Espanha, e replicado, claro, pelo O Estado de São Paulo, referindo-se à atuação do juiz Sérgio Moro, esse novo herói de todos os conservadores, direitosos e direitistas de carteirinha, daqui e de alhures, afirmou o Marquês de Vargas Llosa, entre outras tolices: "É um milagre que continue vivo". Somente uma mente politicamente tosca pensaria desta maneira. Ao dizer isso, ele nada mais faz que uma leitura da polêmica atuação do juiz Moro sob o prisma de algumas das novelas de estilo policial que escreveu, inclusive com a característica de uma sempre exagerada dramaticidade. 
   O escritor (ex)peruano não dá ponto sem nó: busca na discussão de polêmicos temas políticos sul-americanos extravasar as frustrações que adquiriu na militância da política peruana. A complexa 'trama' da Operação Lava Jato e seus múltiplos efeitos e desdobramentos lhe cai como um luva, enquanto mote para estéreis polêmicas e invectivas descabidas. Nesse caso, é ridícula a sua intervenção, sobretudo, por demonstrar enorme desconhecimento da realidade brasileira, ademais de usar modelos já superados e inservíveis para analisá-la. Óbvio que, do alto de sua fama 'nobelesca' e nobiliárquica, pode escrever o que lhe 'der na telha', todavia, nada igualmente impede de ser refutado até mesmo por poucos conhecidos escribas provincianos.
   A propósito, tome-se como exemplo a sua obra ¿Quién mató a Palomino Molero? A oitava novela de Vargas Llosa, publicada inicialmente em 1986, narra um acontecimento aparentemente desvestido de maior importância incursionando não apenas no terreno obscuro da natureza humana, mas, também, revisita cenários passados da política do Peru dos anos 1950, marcados pela corrupção no mundo da política, pelas práticas autoritárias de gestão do Estado e pelo predomínio de uma elite nativa em nada distante da crueldade e violência com que os espanhóis ensanguentaram os Andes peruanos, no século XVI, em busca de ouro e prata, quando ao lado de milhares de mortes se destacou o martírio do rei Túpac Amaru I (1545-1572), último rei inca da dinastia rebelde de Vilcabamba, perversamente assassinado pelo conquistadores espanhóis mesmo após lhes entregar um rico tesouro destes metais preciosos: depois de barbaramente torturado foi queimado vivo. Com Palomino Molero, tenente da Força Aérea peruana encontrado morto numa base militar, personagem  de Vargas Llosa, não foi assim tão diferente em tortura e assassinato, à exceção do fogo. Num transcurso cheio ambiguidades e situações imprevisíveis que desviam o rumo de quem seria o culpado pelo crime, o leitor é levado ao desenlace da trama apontado na investigação policial que se seguiu. Sem dúvida, uma bem construída e instigante narrativa.
   Inegável que Vargas Llosa é um grande escritor e como tal conhece o apelo popular dos folhetins, sobretudo, algumas das corriqueiras fórmulas de sucesso folhetinescas, como é o caso do açulamento da curiosidade das massas para saber quem teria sido o assassino de certa personagem na trama novelesca. "Quem matou Odete Roitman?", foi a indagação feita no final da novela global “Vale Tudo” (1988-1989), de Gilberto Braga,  que eletrizou o Brasil por muitos duas e mexeu com a cabeças de milhões de telespectadores da "Vênus Platinada", ou seja, dois anos após a publicação do livro de Vargas Llosa. Talvez isto não tenha sido mero acaso, mas, uma inspiração, no mínimo, intertextual, para usar a categoria forjada pelo filósofo russo Mikhail Mikhailovich Bakhtin, o teórico fundamental da linguística e da literatura. Em linguagem mais simples: Llosa pode ter inspirado Braga no uso dessa eficaz e ardilosa 'ferramenta' literária.
   Com efeito, na fórmula de Braga - do "quem matou?" - segundo Nilson Xavier, o "objetivo é claro: gerar algum burburinho para despertar a audiência adormecida da novela. Ainda que o recurso seja visto como ‘golpe baixo’, uma vez que já foi usado à exaustão" (disp. em < http://bit.ly/2lJauG5 > acesso: 20 fev 2017). Bem, de todo modo é um subterfúgio que, nos folhetins da teledramaturgia tupiniquins, sempre tem dado certo para incitar a curiosidade das pessoas e aumentar os índices de audiência das telenovelas fracassadas e insossas (só Gilberto Braga já usou - e abusou - desse recurso em cinco das telenovelas que fez na Rede Globo...). Transposto para o ambiente mais nobre da literatura, o artifício também desperta grande interesse e não é menos chamativo. Por isto que com o "Quem matou Palomino Moleiro?", de Vargas Llosa, não foi diferente: um absoluto sucesso, tanto que, editado em mais de trinta outros idiomas, além do espanhol, vendeu milhões de exemplares no mundo inteiro.
   No entanto, é especulação barateira e descabida essa de Vargas Llosa sobre o "milagre" de o juiz Sérgio Moro ainda não ter sido assasinado. O problema é que ele, do alto de seu marquesado nos enxerga, a nós brasileiros, como nativos de uma inarredável Banana Republic. Ele não sabe que o Brasil não é mais aquele que conheceu quando das pesquisas do seu "A guerra do fim do mundo", em que narra o episódio de Canudos, sempre na segura trilha de Euclides da Cunha (ainda prefiro mil vezes Os sertões que o romance de Llosa...). 
   Pois é, senhor Marquês de Vargas Llosa, o Brasil tem mudado muito, de modo que resolvemos nossas querelas dentro dos marcos da legalidade. Quem mataria (ou mandaria matar) o juiz Moro, o ‘espadachim’ da Lava Jato? Idiotice! Na condição de pessoa que vive num país com alto grau de violência urbana ele pode até ser vítima de ato criminoso, um assalto ou outro tipo de agressão, como têm sofrido muitos outros cidadãos deste país. Agora, em razão de sua atividade profissional de magistrado, sobretudo, de sua atuação frente à "Operação Lava Jato" essa especulação é uma enorme besteira. 
        Ora, mesmo aquelas pessoas ou grupos que se ressentem da atuação do juiz Moro devem saber que, hoje, se ele "levar uma topada" o Brasil pegaria fogo. Por outro lado, tirá-lo dos processos que envolvem ex-executivos da Petrobras, doleiros, empresários e políticos, envolvidos numa das mais intricadas redes de corrupção que se tem notícia no mundo, seria outra grande besteira: quem o substituísse dificilmente faria diferente do que ele faz e, portanto, as prisões provisórias e as severíssimas condenações seguiriam seu curso normal. Em resumo, seria isto outra "burrice esférica", como resumiria o meu amigo juiz Assis Amorim, que faleceu recentemente. E a burrice é esférica, segundo definia com argúcia Amorim, quando se manifesta em todos os ângulos e pontos; onde quer que se toque, ela é burrice absoluta e irritante.
   Ao que parece, somente uma prodigiosa mente novelesca conceberia matar um juiz para dar cabo ao processo. As nossas elites podem ser corruptas e perversas, ainda, mas, já ultrapassaram o estágio da violência rasteira "do tempo dos coronéis" e seu jagunços implacáveis. Claro, não se pode aconselhar ao Dr. Moro que relaxe com sua segurança pessoal e ande desabridamente nas ruas de sua Curitiba ou em qualquer outra grande cidade brasileira: a qualquer instante, estrela global que é, ele pode ser reconhecido e como tal agredido por algum maluco do tipo Mark David Chapman, o esquizofrênico que matou John Lennon, em 8 de dezembro de 1980, apenas para se tornar (tristemente) célebre. 
   Em resumo, esse besteirol do Marquês sobre o juiz Moro é exagerado, caviloso e sem fundamento. Certamente, impõe o costume republicano absoluto respeito à vida e à dignidade da pessoa humana: que viva em paz com sua família o jovem juiz Sérgio Moro, até quando a natureza lhe permita viver, goste-se ou não do seu agir profissional. E que tenha todo o tempo do mundo para refletir sobre o que fez ao seu país, para o bem ou para o mal. No mais, com toda essa baboseira parece até que Vargas Llosa deseja mesmo é escrever uma sequência da sua novela anterior, com um título mais ou menos assim: "¿Quién mataria a Sergio Moro?" E venderia muitos exemplares em diversos idiomas. Por isto, ao aproveitador e falastrão Marquês de Vargas Llosa, é essencial dizer: vire a boca para lá, urubu-da-asa-quebrada! Vai agourar noutro lugar! Arre!
P.S.: quem leu este artigo achou o título muito forte. Claro, nem de longe é um desejo ou tentativa de vaticínio. Por precaução usei o futuro do pretérito mataria para imprimir a marca da condicionalidade. Por fim, apenas usei o poder da técnica do "quem matou?" Imortalizado por Vargas Llosa e abusivamente usado pelo telenoveleiro Gilberto Braga. Se  você lendo chegou até aqui, o artifício foi eficaz mais uma vez.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Nelter defende que DNOCS e CAERN se entendam no tocante às adutoras

O deputado Nelter Queiroz vai propor uma inspeção na montagem da adutora de Caicó a ser realizada conjuntamente por técnicos do DNOCS e da Caern.
Isso porque, segundo afirmou através de postagem no twitter, ao contrário do que foi informado pelo DNOCS ao presidente estadual do PMDB, Henrique Eduardo Alves, a montagem da adutora de Caicó, segundo a Caern, não foi concluída ontem.
Frisou que a ansiedade pela obra é grande, como ocorre com relação à adutora de Jucurutu, "feita pelo DNOCS mas que, até hoje, não funcionou".
ATUALIZAÇÃO:
Também via twitter, Henrique Eduardo informou depois de ler a postagem de Nelter:
- Montagem adutora Caicó concluída. Apenas instalação bombas - Dr. Eudes, regional CAERN trabalho conjunto, pediu para ser após o carnaval.

Montagem da adutora de Caicó está concluída - revela Henrique

O presidente estadual do PMDB, Henrique Eduardo Alves, anunciou, neste sábado, via twitter, que a montagem da adutora de Caicó está concluída.
Assinalou que o serviço de montagem dos canos terminou ontem e, agora, falta apenas instalar as bombas.
Destacou que essa instalação deverá ocorrer logo depois do carnaval.
Na mesma postagem Henrique afirma que, com isso, o "DNOCS cumpre o prometido!".
Concluindo a nota, uma palavra de gratidão ao ministro Helder Barbalho: "Valeu, ministro Hélder!".

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Boletim sobre saúde de presidente do Senado só com autorização de sua assessoria

Os médicos que fizeram a cirurgia do senador Eunício de Oliveira no Hospital Santa Lúcia, em Brasilia, deixaram claro no boletim que emitiram às 14 horas desta sexta-feira, que o documento só foi divulgado após autorização por escrito da assessoria do paciente.
Assinado pelo dr. Jaldo Aguiar Barbosa, cirurgião geral do Hospital Santa Lúcia e pelo dr. Raul Sturari, diretor técnico do Hospital, o paciente "está evoluindo muito bem, de forma estável e sem intercorrências".
O presidente do Senado está internado no Hospital Santa Lúcia desde a noite de quarta-feira.

Petrobras anuncia redução do preço da gasolina e do diesel a partir da meia noite

Sob o título "Anunciamos redução nos preços dos combustíveis", o portal da Petrobras está publicando a seguinte nota:

De acordo com nossa política de preços anunciada em outubro de 2016, decidimos reduzir o preço do diesel nas refinarias em 4,8%, em média, e da gasolina em 5,4%, em média. Os novos valores começam a ser aplicados a partir de 25/02/2017.
A decisão é explicada principalmente pelo efeito da valorização do real desde a última revisão de preços, pela redução no valor dos fretes marítimos e ajustes na nossa competitividade no mercado interno.
Reafirmamos nossa política de revisão de preços pelos menos uma vez a cada 30 dias, o que lhe dá a flexibilidade necessária para lidar com variáveis com alta volatilidade. Os novos preços continuam com uma margem positiva em relação à paridade internacional, conforme princípio da política anunciada, e estão alinhados com os objetivos do plano de negócios 2017/2021.
Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas por nós nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de combustíveis, especialmente distribuidoras e postos revendedores. Se o ajuste feito hoje for integralmente repassado e não houver alterações nas demais parcelas que compõem o preço ao consumidor final, o diesel pode cair 3% ou cerca de R$ 0,09 por litro, em média, e a gasolina 2,3% ou R$ 0,09 por litro, em média.

Resumo completo da pregação em que o Papa cita o católico fingido e o ateu

2017-02-23 
L’Osservatore Romano

O «escândalo» de quem se professa cristão e depois mostra o seu verdadeiro rosto com uma vida que de cristã nada tem; e o contratestemunho de quem «explora» e «destrói» as vidas dos outros fingindo que é um bom católico. Sobre isto centrou-se a missa celebrada na manhã de quinta-feira 23 de fevereiro em Santa Marta pelo Papa Francisco o qual, comentando as palavras severas usadas por Jesus no Evangelho, chamou à conversão os protagonistas de certas «vidas duplas».

A homilia do Pontífice partiu do salmo 1, no qual se lê: «Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite». A Escritura, explicou Francisco, refere-se ao homem que tem «a sua força» no Senhor, «que se sente pequenino, que sabe que sem o Senhor nada pode fazer». Ele «é bem-aventurado no Senhor».

Mais adiante, acrescentou, o salmo propõe também a «contraposição entre os que seguem a lei do Senhor e os arrogantes, malvados». É a mesma contraposição que se encontra no evangelho do dia (Mc 9, 41-50). Também naquele trecho «há os bons e os maus». Por detrás das palavras de Jesus percebe-se «a figura destes justos que se sentem pequeninos, mas a sua confiança está no Senhor». Um trecho, observou o Papa, no qual «por quatro vezes» se repete a palavra «escândalo». E ao usá-la o Senhor «foi muito severo», a ponto de dizer: «Ai de quem escandalizar um só destes pequeninos. Ai!». Com efeito, explicou o Pontífice, «o escândalo, para o Senhor, é destruição». E Jesus aconselha: «É melhor que se destrua a si mesmo do que os outros. Corta a tua mão, o pé, arranca um olho, lança-te ao mar. Mas não escandalizes os pequeninos, ou seja, os justos, aqueles que confiam no Senhor, que simplesmente acreditam no Senhor».

A este ponto o Pontífice questionou-se: «Mas o que é o escândalo?». A resposta diz respeito à vida concreta de cada pessoa: «O escândalo é dizer uma coisa e fazer outra; é a vida dupla». Um exemplo? «Eu sou muito católico, vou sempre à missa, pertenço a esta associação e àquela; mas a minha vida não é cristã, não pago o justo aos meus empregados, exploro as pessoas, faço negócios sujos, lavagem de dinheiro». Esta é uma «vida dupla». Infelizmente, considerou o Papa, «muitos católicos são assim e escandalizam».

Palavras claras que reconduzem todos à vida de cada dia: «Quantas vezes ouvimos no bairro ou noutras partes: “Mas ser católico como aquele, é melhor ser ateu”. Eis o escândalo», que «destrói», que «desmoraliza». E «isto acontece todos os dias: é suficiente ver o telejornal ou ler os jornais. Nos jornais há tantos escândalos, e há também a grande publicidade dos escândalos. E com os escândalos destrói-se».

Para explicar ulteriormente as suas palavras, o Pontífice contou um facto recente relativo a «uma empresa importante» que estava «à beira da falência». Dado que, disse, as autoridades «queriam evitar uma greve justa, mas que não teria sido boa», procuraram entrar em contacto com o responsável da empresa. E onde estava ele enquanto «a empresa estava a falir» e as pessoas «não recebiam o ordenado do próprio trabalho»? Este dirigente, que dizia ser «um homem católico, muito católico», estava «numa praia do Médio Oriente» a passar «as férias invernais». O episódio «não foi publicado nos jornais», mas «as pessoas souberam-no». Estes «são os escândalos, a vida dupla». E Jesus diz a quem se comporta assim: «A estes pequeninos, a estes pobres que creem em mim, não os arruínes com a tua vida dupla».

Parafraseando outro trecho do evangelho, o Pontífice imaginou o momento no qual quem dá escândalo se apresenta à porta do Céu: «Sou eu, Senhor!» – «Mas como, não te recordas? Eu ia à missa, estava ao teu lado, pertencia a esta associação, faço isto... não te recordas de todas as ofertas que dei?» – a«Sim, recordo. As ofertas, recordo-me delas: todas sujas. Todas roubadas aos pobres. Não te conheço».

O problema, explicou o Papa, nasce de uma atitude que está bem descrita precisamente na primeira leitura do dia (Eclo 5, 1-10): «Não confies nas tuas riquezas, e não digas “não preciso de ninguém”». E ainda: «Não sigas o teu instinto nem a tua força, satisfazendo as paixões do teu coração». Isto é, a vida dupla «vem do seguir as paixões do coração, os pecados capitais que são as feridas do pecado original». Quem dá escândalo, disse Francisco, segue estas mesmo se as esconde. A Escritura admoesta estas pessoas que, mesmo reconhecendo o seu erro, contam com o facto de que «o Senhor é paciente, se esquecerá...». E convida todos a «não adiar a conversão».

Um convite reafirmado pelo Pontífice a cada cristão: «A cada um de nós fará bem, hoje, pensar se há algo de dupla vida em nós, de parecer justos, de parecer bons crentes, bons católicos, mas por detrás fazer outra coisa». Trata-se de compreender se a atitude é a de quem diz: «Mas sim, o Senhor perdoar-me-á tudo, mas eu continuo...» e, apesar de estar ciente dos próprios erros, repete: «Sim, isto não está bem, converter-me-ei, mas não hoje: amanhã». Um exame de consciência que deve levar à conversão do coração, a partir da consciência de que «o escândalo destrói».

1ª missa da quarta-feira de cinzas em Natal será às 6 da manhã

A Arquidiocese de Natal informou que a primeira missa da quarta-feira de cinzas será às 6 da manhã na matriz da Apresentação (antiga Catedral), na Praça André de Albuquerque (aquela da Parada Metropolitana).
Nessa mesma Igreja será celebrada uma segunda missa às 17,30.
CLIQUE AQUI e saiba o horário das missas nas demais igrejas de Natal e das seguintes cidades:
Taipu
Canguaretama
Macaíba
Vera cruz 
Pureza
Brejinho
João Câmara
Monte Alegre
Tibau do Sul
Santana do Matos
Coronel Ezequiel
Santa Cruz
Parnamirim
São Paulo do Potengi 
Afonso Bezerra
Angicos
Guamaré 
Goianinha.



Natal promete pagar amanhã o mês de fevereiro a 70%


A Prefeitura de Natal anunciou hoje que amanhã, sábado, dia 25, estará nas contas de 15.100 servidores (70%) do funcionalismo, o salário correspondente ao presente mês de fevereiro.

A nota acrescenta:

Receberão seus vencimentos os funcionários da Agencia Reguladora de Serviços de Saneamento Básico do Município do Natal (Arsban), Instituto de Previdência Social dos Servidores do Município do Natal (NatalPrev), magistério e os trabalhadores da Companhia de Serviços Urbanos de Natal (Urbana) que ganham até R$ 6 mil líquidos. 
Da administração direta, terão o dinheiro creditado em conta aqueles que ganham até R$ 2 mil líquidos. 
Serão injetados na economia da capital potiguar R$ 24,3 milhões. A secretaria municipal de Administração informa que o restante da folha será quitado de acordo com o comportamento das receitas do executivo.

Prefeitura de São Gonçalo anuncia pagamento de fevereiro

A Prefeitura de São Gonçalo distribuiu nota afirmando que os servidores municipais tiveram depositado em suas contas, nesta sexta-feira, o pagamento referente a este mês de fevereiro.
Acrescenta que são 2.800 funcionários entre efetivos e cargos comissionados e destaca que a folha totaliza 6 milhões de reais.
Ou seja: Os servidores estão rindo à toa. Agora, quem precisar de um atendimento de saúde, apegue-se com Deus e corra para a UPA de Macaíba.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Contas públicas na Alemanha registram sobras acima de 23 bilhões de euros

É de dar inveja a qualquer pais:
Na Alemanha, a arrecadação de 2016 foi superior às despesas públicas em 23 bilhões e 700 milhões de euros - informa reportagem no portal dw.com.
É um récord desde a reunificação do país em 1990.
De acordo com a reportagem, esse resultado é atribuído a um crescimento econômico sólido e a um mercado de trabalho esquecido.
CLIQUE AQUI para ler a reportagem completa.

O exemplo tem mais força do que milhares de curtidas, ensina o Papa

Postagem desta quinta-feira, do Papa Francisco no twitter:
- Não subestimemos o valor do exemplo pois tem mais força do que mil palavras, milhares de "curtidas" ou retuitadas, de mil vídeos no youtube.
Para acessar o twitter do Papa em português, CLIQUE AQUI.

Programação da Campanha Fraternidade 2017 sai na quarta-feira

Uma entrevista coletiva será concedida na próxima quarta-feira, às 15,30, na sede da Cúria Metropolitana, pelo arcebispo dom Jaime Vieira Rocha e o padre Robério Camilo da Silva para anunciar a programação da Campanha da Fraternidade 2017.
O lançamento da campanha será no dia 5 de março. Em Natal, a solenidade de lançamento está programada para o Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte, das 14,30 às 17 horas.


Roberto Jefferson prevê romaria na porta da cadeia se Lula for preso

Numa entrevista que concedeu à revista Veja, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, afirma ser contra a prisão do ex-presidente Lula na sequência da Operação Lava Jato.
Segundo entende, é isso que Lula deseja.
- Ele deseja ser preso para poder ter o discurso de que foi perseguido pela caneta togada do Moro.
E mais:
- Se Lula for preso vai ter romaria com bandeira de foice e martelo, todo dia, na porta da penitenciária em Curitiba.
CLIQUE AQUI para ler a reportagem completa.

Eunício de Oliveira passa por cirurgia em Brasilia

O presidente do Senado, Eunício de Oliveira, foi submetido a uma cirurgia para retirada da vesícula, na manhã desta quinta-feira, segundo nota publicada no portal do Senado.
Eunício foi internado ontem a noite na Casa de Saúde Santa Lúcia, onde foi realizada a cirurgia.
Ele chegou ao Hospital enfrentando uma crise de colecistite aguda com obstrução por cálculos na via biliar principal.
Ainda na noite de ontem, o presidente do Senado foi submetido a procedimento endoscópico, com desobstrução da via biliar, realizado pelo Dr. Calixto Abrão.
A cirurgia, na manhã desta quinta-feira, foi realizada pela seguinte equipe: Dr. Jaldo Aguiar Barbosa (cirurgião), Dr. João Cavalcanti e dra. Juliana Campos Barbosa (cirurgiões auxiliares) e dr Eduardo Antônio S. Soares (anestesista).

Abaixo, a íntegra da nota oficial:

A Presidência do Senado Federal emitiu uma nota nesta quinta-feira (23), a respeito de uma cirurgia a que foi submetido o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira, durante a manhã. Eis a íntegra da nota:
"Após exames clínicos realizados na noite de ontem (22), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), foi submetido a uma pequena intervenção cirúrgica nesta manhã para a retirada da vesícula (colecistectomia).
O procedimento foi realizado com sucesso e o senador recupera-se bem, conforme laudo médico abaixo.
Assessoria de Imprensa
Presidência do Senado"
CLIQUE AQUI para ler nota emitida pela Casa de Saúde Santa Lúcia.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Um dos 13 assassinados em Ceará-Mirim ainda não foi identificado

O ITEP distribuiu nota hoje informando que das 13 pessoas assassinadas em Ceará-Mirim esta semana somente uma ainda não foi identificada.
Leia abaixo a transcrição da nota:

O Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP-RN) contabiliza desde segunda-feira (20), até a manhã desta quarta (22), o recolhimento de 13 corpos de pessoas vítimas de crimes violentos letais intencionais, no município de Ceará Mirim.
Do total de corpos, 12 já foram identificados, sendo 9 deles através da necropapiloscopia (comparação de impressões digitais) e outros três pelo exame de arcada dentária, realizado pela odontologia legal. Uma das vítimas ainda não foi identificada devido à falta de procura dos familiares.


Vítimas identificadas

Jacson Sidney Botelho Matos
Emanuel Klaiton Silva de Andrade, 18 anos
Kleberson Wendel Pereira da Silva, 25 anos
Eudes Costa de Andrade, 40 anos
Adelmakson Nascimento Sena, 25 anos
Marcos Antônio de Oliveira, 34 anos
Luciano Duarte Júnior, 27 anos
José Soares dá Silva, 17 anos
Marcílio Maurício Damasceno do Nascimento, 24 anos
Paulo Henrique Josué Soares, 19 anos
Wendison Silva Ferreira, 21 anos
Wanderson Emanuel Ferreira, 22 anos

Mais de 1,500 pessoas precisam de cirurgias emergenciais no RN

Em pronunciamento que fez na Assembleia. na sessão desta quarta-feira, o deputado Getúlio Rego (DEM) afirmou que mais de 1500 pessoas necessitam de cirurgias de traumas (emergenciais) no Rio Grande do Norte.
Segundo acrescentou. essas cirurgias, no interior, estão suspensas desde junho.
- As pessoas com perna, braço, costelas quebrados são obrigadas a ficar em casa, sem saber quanto tempo vão ter que esperar por atendimento.
Certamente, algumas não conseguirão resistir.
Getúlio frisou que, "quando se fala em neurocirurgia, a situação se repete".
- As pessoas estão tendo frustrado o direito ao atendimento, além do evidente agravamento das sequelas.
Foto: Eduardo Maia

Cortada a luz da Central do Cidadão em Pau dos Ferros - anuncia Getúlio Rego

A Central do Cidadão de Pau dos Ferros, importante cidade polo da região Oeste do RN, está fechada há um ano - disse hoje na Assembleia o deputado Getúlio Rego.
Pior é que, agora, para completar, teve a luz cortada.
Getúlio reconheceu que, em 2014, não votou no governador Robinson.
E explicou:
- Se fosse pelo coração, pela amizade ou pela convivência de mais de 20 anos aqui na Assembleia, eu teria votado nele. Sem  nenhum dúvida.
E prosseguiu:
- Mas tive a oportunidade de lhe dizer na época: O Rio Grande do Norte enfrentava uma penosa situação de dificuldade. Os problemas eram muitos e eu não vi nele prestígio político para chegar em Brasilia e conseguir o apoio de que precisávamos.
- Por isso, preferi votar no candidato Henrique Eduardo Alves.
Getúlio assinalou ter certeza de que Henrique também não conseguiria fazer nenhum milagre. "Mas, com o prestígio político que tem, certamente, essas migalhas que o Estado precisa, viriam com muito mais facilidade".
Frisou o deputado que, mesmo sem o seu apoio, o governador Robinson conseguiu brilhante vitória na cidade - mais de 4 mil votos de maioria.
- E a retribuição que o povo recebe é ter que se deslocar para outros municípios na hora que tem a necessidade de tirar ou renovar um simples documento.

Agravamento da insegurança reflete incompetência do governo do RN, diz deputado

O deputado George Soares (PR) afirmou hoje, em sessão da Assembleia, que o agravamento da insegurança pública no Rio Grande do Norte reflete a omissão e a incompetência do governo.
Referindo-se especificamente aos assaltos a pequenas agências bancárias no interior e a explosões de caixas eletrônicos, o parlamentar afirmou que noutros estados - como Pernambuco, Paraíba e Ceará essas ações já diminuiram, graças ao desempenho dos seus órgãos de segurança.
- Aqui só faz aumentar.
Para George, o RN conta com uma grande vantagem em relação aos outros estados.
- É que mais da metade de nossa fronteira é no litoral, é mar. Ou seja: Os ladrões não têm pra onde correr. E nem assim conseguimos pegá-los - assinalou.

Viagem de Robinson a China deixa Kelps preocupado

O deputado Kelps Lima externou preocupação com o que resultará da viagem que o governador Robinson Faria, "acompanhado por numerosa comitiva", está realizando à China.
- Toda viagem que ele faz com o objetivo de buscar solução para problemas do estado, quando volta aquele problema que se propunha a enfrentar só faz se agravar - disse o deputado.
Em seguida, exemplificou:
- A pretexto de buscar solução para a segurança, ele viajou à Colômbia. Resultado: Até hoje a questão da segurança só tem feito se agravar. 
- Agora foi pra China sob o argumento de buscar investimentos e geração de emprego. Se eu tivesse carteira assinada estaria preocupado, pois a tendência é o agravamento desses problemas.
E completou: "O governo Robinson está tão desacreditado que está virando piada. Agora mesmo, tão dizendo que, na realidade, o seu objetivo na China é conhecer a "Muralha da China", a fim de poder construir o muro de Alcaçuz".

Aumenta a confiança do consumidor brasileiro

Nielmar de Oliveira Silva - 
Repórter da Agência Brasil

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 2,5 pontos em fevereiro, alcançando 81,8 pontos, o maior nível do indicador desde dezembro de 2014. Esta é a segunda alta consecutiva do índice, que iniciou o ano com uma elevação de 6,2%.

Os dados relativos à Sondagem do Consumidor foram divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). A alta de fevereiro reflete expansões em todos os quesitos que compõem o ICC.

O Índice da Situação Atual (ISA) avançou 2,2 pontos, para 70,3 pontos, o maior nível desde agosto de 2015. O Índice de Expectativas (IE) subiu para 90,6 pontos, alcançando o maior patamar desde outubro de 2014.
Ajustes no orçamento familiar
“Esta segunda alta consecutiva neste ano parece estar relacionada à aceleração do ajuste orçamentário das famílias propiciado pela desaceleração da inflação e aceleração no ritmo de queda dos juros básicos da economia”, afirmou a coordenadora da Sondagem do Consumidor, Viviane Seda Bittencourt, em publicação divulgada pela FGV.
Segundo a Viviane, “os consumidores com maior poder aquisitivo são os que se mostram efetivamente mais satisfeitos com a situação financeira no momento e otimistas em relação aos próximos meses”. Para a economista, “uma recuperação mais espalhada e sustentável continuará dependendo de notícias favoráveis sobre o mercado de trabalho, mas que ainda não vieram.”
A publicação da FGV indica, ainda, que o indicador de satisfação do consumidor em relação à situação financeira familiar atual subiu 4 pontos em relação a janeiro, atingindo 65,6 pontos.
A intenção de compra de bens duráveis nos próximos meses foi o fator que mais contribuiu para o aumento da confiança no mês.
A edição de fevereiro de 2017 coletou informações de 2.047 domicílios entre os dias 1 e 20 de fevereiro.