domingo, 28 de maio de 2017

Gastança "nos outros poderes" provoca atraso dos servidores, diz Robinson

Em reunião com servidores e para justificar o atraso no pagamento da folha mensal, o governador Robinson Faria afirmou que o Executivo do RN transfere para os outros poderes quase 24% do orçamento, o dobro do que é transferido por São Paulo, o Estado mais poderoso do país - informa reportagem na edição impressa da Tribuna do Norte neste domingo.
Até com relação aos estados do Nordeste, o governador disse que o RN é o maior gastador com os demais poderes. Contra os 24% gastos pelo Rio Grande do Norte, segundo Robinson, a média nordestina gira em torno de 12 a 13%.
Ele acrescentou que já expôs esse problema aos chefes dos demais poderes, "mas o executivo fica falando sozinho".
O governador só livrou a cara do Tribunal de Contas que, segundo disse, "tem um custo muito enxuto".

Artigo de Paulo Afonso Linhares

A MARCA DAS OLIGARQUIAS

Paulo Afonso Linhares

Há vinte e cinco séculos, o filósofo Aristóteles enquadrava em dois grupos as formas de governo: normais (aquelas que têm por objetivo o bem da comunidade) e anormais (aquelas que visam somente vantagem para os governantes). Assim, reconheceu a existência de três formas normais de governo ou de organização daquilo que conheciam como polis, a cidade: monarquia, aristocracia e democracia. A democracia teria como características a participação de todos os cidadãos no exercício do poder e a isonomia (igualdade de direitos) entre eles; a aristocracia traduz a participação de uma minoria no poder e na titulação de direitos; e, a monarquia, que é o governo de um só, o rei ou soberano. As formas anormais seriam meras degenerações daquelas: tirania (da monarquia), oligarquia (da aristocracia) e demagogia (da democracia.
Nesta amena conversa de domingo, interessa tomar e examinar uma dessas formas: a oligarquia, a degeneração da aristocracia. Interessante notar a diferenciação que o pensador contemporâneo Moses FINLEY, na obra Democracia antiga e moderna (Rio de Janeiro : Graal, 1988, p. 26), sentencia: "( ... ) a diferença entre democracia e oligarquia é a pobreza e riqueza. Onde quer que os homens governem devido à sua riqueza, sejam eles poucos ou muitos, há uma oligarquia, e onde os pobres governem, há uma democracia." No Houaiss, a oligarquia é definida como "regime político em que o poder é exercido por um pequeno grupo de pessoas, pertencentes ao mesmo partido, classe ou família". Atualmente, no Brasil, oligarquia passou a ser entendida simplesmente como o compartilhamento de cargos públicos eletivos por um grupo familiar.
A política brasileira ainda hoje é dominada por oligarquias, em todos os quadrantes do território nacional. No momento atual, aliás, experimenta-se um recrudescimento do espírito e das práticas oligárquicas, no sentido dado por último, merecendo destacar o exemplo do Rio Grande do Norte em face das eleições para presidente , governador, senador, deputados federais e estaduais, que acontecerão em outubro deste ano de 2010. A tirar pelos registros deferidos pelo TRE/RN, as oligarquias locais demonstram um enorme apetite para abocanhar os cargos eletivos em disputa. Uma dúzia delas disputam praticamente quase todos esses cargos. E pelo caminhar do andor o poder político do Rio Grande do Norte não lhes escapará, com a continuidade das práticas clientelísticas que, infelizmente, estão na base dos costumes políticos dos potiguares.
Inegável que esse domínio político das oligarquias enfraquece a democracia e impõe um enorme atraso às questões da cidadania e da participação popular nos negócios do governo. Mais arrasador afigura-se relativamente aos partidos políticos, que jamais ganharão consistência se aparecem como meras expressões desse grupos familiares. Por fim, a ordem oligárquica atinge um dos preceitos mais importantes do Estado Democrático de Direito, que é o princípio da igualdade (ou isonomia) entre os cidadãos, que segundo José Afonso da Silva, "porque existem desigualdades, é que se aspira à igualdade real ou material que busque realizar a igualização das condições desiguais". Em sendo a igualdade um elemento essencial da democracia, a sua inexistência é a negação desta. Óbvio. O resto é conversa para boi dormitar.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Emendas de Walter Alves beneficiam a Liga e a UFRN

Emendas do deputado Walter Alves ao Orçamento da União beneficiam a Liga Norte-Rio-Grandense de Combate ao Câncer e a UFRN.
Destinam-se à compra de equipamentos médicos e totalizam R$ 370 mil - sendo R$ 200 mil para a Liga e R$ 170 mil para UFRN.
O deputado transmitiu a notícia numa nota que postou em sua página no Facebook e que passo a transcrever:

Olá, amigos. Boa notícia. Conseguimos a liberação dos recursos na ordem de R$ 370 mil, através de emendas parlamentares de nossa autoria, para a Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (Uern) e a Liga Norte-rio-grandense Contra o Câncer. Os recursos estão alocados no Ministério da Saúde, já foram liberados e serão depositados nas contas bancárias das instituições em breve. O investimento tem como finalidade a compra de equipamentos médicos. A Uern receberá pouco mais de R$ 170 mil, e a Liga, R$ 200 mil. Fico feliz em poder colaborar para a melhoria dos serviços em nosso Estado.

Fuga de presos no RN repercute em Portugal

O portal do diário português, Diário de Notícias, de Lisboa, está repercutindo nesta sexta-feira a fuga de presos registrada, ontem, no presídio de Parnamirim-RN.
Foi a maior fuga registrada no sistema penitenciário do Estado do Rio Grande do Norte.
O DN cita o secretário de Justiça, Luís Mauro Albuquerque Araújo, revelando que 88 presos conseguiram escapar rastejando através de um túnel de 30 metros.
10 foram recapturados.
CLIQUE AQUI para ler a reportagem no saite do Diário de Notícias.

Católicos realizam "semana pela unidade dos cristãos"

Será de 28 de maio a 4 de junho - lembra o arcebispo de Natal, dom Jaime Vieira Rocha, em artigo que assina nesta sexta-feira na edição impressa da Tribuna do Norte.
- A unidade dos cristãos é um desejo que, desde o Concílio Vaticano II, se fortaleceu na Igreja - assinala. 
O arcebispo lembra que todas as comunhões cristãs "se professam discípulos do Senhor, mas têm pareceres diversos e caminham por rumos diferentes, como se o próprio Cristo estivesse dividido".
No artigo, dom Jaime enumera cada passo que a Santa Sé tem dado visando encontrar a pretendida unidade e, no parágrafo final, destaca:
- A fé em Cristo não nos separa, nos une, pois nele temos a convicção de que somos todos irmãos. Rezemos pela unidade, pois a oração de Cristo ao Pai ("para que todos sejam um" - Jo 17,21) é modelo para todos, sempre e em qualquer lugar.

Governador do RN está de olho em "sobras" da Justiça

No encontro que manteve com servidores, o governador Robinson não guardou segredo: Está fazendo o possível e o impossível para conseguir se apoderar de sobras orçamentária e financeira do Tribunal de Justiça.
Segundo afirmou, esse dinheiro daria para atualizar a folha de pagamento do Estado.
De uma cajadada conseguiu:
Primeiro - Expor o Poder Judiciário como uma instituição que nada em dinheiro apesar de toda crise.
E, segundo: Procurou dar a entender - coitado - que não tem a menor responsabilidade pelo atraso no pagamento dos servidores.
O dirigente sindical dos servidores, Santino Arruda postou no Facebook um relato sobre recente encontro de representantes da categoria com o governador.
A certa altura, assinalou:
- No caso do atraso de salários, depois de muito debate, e da informação do Governo que a situação continua difícil, verificou-se, o Forum e o próprio Governo que, há alternativas para se chegar a bom termo nessa demanda, a começar pelo Fundo em deposito em conta no TJRN, que segundo o Secretario de Administração, daria para pagara uma folha e meia, liquidas, do funcionalismo do RN, além do que há 7 bilhões em dividas ativa do Estado, dentre outras. Quanto ao Fundo em deposito, do TJRN, ha uma perspectiva de se acessar esses valores nos próximos meses, o que é por demais justo, tendo em visto que trata-se de recursos repassado pelo Tesouro, portanto terá que voltar ao Tesouro.

Lula: "Se o Ministério Público é o que é hoje, deve ao PT"

Só ficou no presídio de Parnamirim, o preso que não quis fugir

Isso é o que se conclui diante da afirmação do secretário de Justiça, Luís Mauro Albuquerque, há poucos dias no cargo.
Está na Tribuna desta sexta-feira.
Ele se referia à fuga registrada ontem, quando escaparam cerca de 90 presos.
Foi a maior fuga registrada no sistema penitenciário do Estado.
- Na ocasião só 4 agentes penitenciários estavam de plantão e seriam necessários, pelo menos, 15.
Na manchete de sua nota, a Tribuna põe no título uma declaração do secretário:
- Fui humanamente impossível evitar a fuga.
CLIQUE AQUI para ler a reportagem da Tribuna do Norte.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Fuga de 91 presos, como se nada tivesse ocorrido, desmoraliza o RN

A fuga de presos registrada nesta quinta-feira, dia 25, no Presidio Estadual de Parnamirim é desmoralizante para o governo do RN.
91 presos escaparam numa boa, sem que ninguém percebesse.
Nem precisou de rebelião.
Fico imaginando como terá sido que os detentos conseguiram escapar.
Numa hora fico imaginando a fila - 91 presos enfileirados e fugindo de um presídio sem ninguém notar. 
Como conseguiram? Foi em fila mesmo? Rastejando e andando?
Como foi que alguém percebeu a fuga desses invisíveis?
Alguma orientação para a população se proteger?

quarta-feira, 24 de maio de 2017

PGR nega ter vazado áudio da conversa de Ronaldo Azevedo com Andrea Neves

A Assessoria de Imprensa da Procuradoria Regional da República no RN me encaminhou a seguinte nota de esclarecimento com a assinatura da Assessoria de Imprensa da Procuradoria Geral da República:

"A Procuradoria-Geral da República esclarece que a informação veiculada na matéria do Buzzfeed “PGR anexa grampos de Reinaldo Azevedo com Andrea Neves em inquérito (...)” está errada. A PGR não anexou, não divulgou, não transcreveu, não utilizou como fundamento de nenhum pedido, nem juntou o referido diálogo aos autos da Ação Cautelar 4316, na qual Andrea Neves figura como investigada.

Todas as conversas utilizadas pela PGR em suas petições constam tão somente dos relatórios produzidos pela Polícia Federal, que destaca os diálogos que podem ser relevantes para o fato investigado. Neste caso específico, não foi apontada a referida conversa.

A ação cautelar contém quatro mídias. As duas primeiras referem-se aos termos de confidencialidade firmados com os colaboradores (folhas 55 e 57), anexados com a inicial da cautelar. As outras duas, diretamente juntadas pela PF, referem-se aos relatórios (autos circunstanciados) parciais de análise das interceptações telefônicas autorizadas pelo ministro-relator (folha 249, anexada dia 24/04, e folha 386, anexada dia 19/05).

A Ação Cautelar 4316 ainda não deu a primeira entrada na PGR, tendo sido aberta vista pelo ministro Edson Fachin apenas nesta terça-feira, 23 de maio, com chegada prevista para quarta-feira, 24 de maio.

*Com informações do STF"

Apesar da crise, confiança do brasileiro está em alta

Nielmar de Oliveira 
Repórter da Agência Brasil

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) avançou 2 pontos de abril para maio e acumula alta de 11,1 pontos nos primeiros cinco meses do ano indo a 84,2 pontos. Os dados foram divulgados hoje (24) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

A evolução favorável da confiança dos consumidores em maio recupera parte da queda de 3,1 pontos no mês anterior, quando o índice atingiu 82,2 pontos. Para a coordenadora da Sondagem do Consumidor da FGV, Viviane Seda Bittencourt, “o resultado foi influenciado pela melhora das expectativas com relação à situação financeira das famílias e o ímpeto de compras, ambos os quesitos positivamente influenciados pela inflação mais baixa e os juros nominais em queda”.

Viviane lembra, porém, que ainda não foram registradas as consequências da delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, com acusações contra o presidente Michel Temer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), entre outras pessoas.

“O aprofundamento da crise política no país a partir do dia 17 ainda não foi detectado na pesquisa deste mês, embora o resultado da coleta de dados posterior a esta data sinalize que o aumento de incertezas no ambiente político possa motivar uma maior cautela dos consumidores nos próximos meses”, declarou.

De acordo com o critério da pesquisa, quando o índice fica abaixo de 100 pontos, a interpretação técnica é de que os entrevistados estão pessimistas e quando fica acima, 
Análise dos dados

A percepção dos consumidores quanto à situação atual permaneceu estável em maio, mas houve melhora das expectativas em relação ao futuro. O Índice da Situação Atual (ISA) registrou queda de 0,3 ponto, para 70,5 pontos, e o Índice de Expectativas (IE) avançou 3,5 pontos, atingindo 94,6 pontos.

No que diz respeito à situação das famílias, o indicador de situação financeira atual apresentou um recuo de 1,3 ponto, atingindo 64,1 pontos. Foi a maior queda desde dezembro de 2016.

Embora o nível de satisfação dos consumidores em relação à situação financeira familiar ainda esteja baixo e venha registrando quedas há dois meses, as expectativas em relação aos próximos meses voltou a melhorar e atinge 95,5 pontos - o maior nível desde outubro de 2014.

“Com melhores perspectivas sobre as finanças familiares, os consumidores também responderam de forma mais favorável ao quesito que mede o ímpeto por compras de bens duráveis, que exerceu a maior influência sobre o Índice de Confiança do Consumidor no mês, com alta de 7,4 pontos, para 78,5 pontos”. Em maio, o indicador recuperou a queda de 7,2 pontos apresentada em abril.

Faixas de renda

Nas famílias com renda mensal até R$ 2,1 mil e acima de R$ 9,6 mil, a confiança subiu, recuperando a queda ocorrida no mês anterior. Já as famílias com renda mensal entre R$ 2,1 mil e R$ 4,8 mil registraram novas perdas.

“Essa queda é consequência de uma piora da situação financeira familiar, que atingiu o menor nível já apresentado para este quesito entre todas as rendas: 40 pontos", afirmou Viviane.

A edição de maio de 2017 coletou informações de 1970 domicílios entre os dias 2 e 20 de maio. A próxima divulgação da Sondagem do Consumidor ocorrerá em 26 de junho de 2017..

terça-feira, 23 de maio de 2017

Portugal investiga fraudes em fundos comunitários

A Polícia Judiciária de Portugal abriu um processo de investigação sobre fraudes em fundos comunitários - informa reportagem no Diário de Notícias, importante jornal de Lisboa.
Na série de mandados de busca e apreensão executados nesta terça-feira, pode-se ter uma ideia da dimensão da roubalheira - foram apreendidos uma Ferrari e uma McLaren.
CLIQUE AQUI para ler reportagem completa.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Apesar da crise projeção da inflação fica abaixo de 4%

Kelly Oliveira - 
Repórter da Agência Brasil

O mercado financeiro reduziu a projeção para a inflação este ano pela 11ª vez seguida. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 3,93% para 3,92%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação elaborada todas as semanas, pelo Banco Central (BC), e divulgada às segundas-feiras.

A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta, que é 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a estimativa caiu 4,36% para 4,34%, no segundo ajuste seguido.

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) permanece em 0,50%, este ano e em 2,50%, em 2018.

Para as instituições financeiras, a taxa básica de juros, a Selic, encerrá 2017 e 2018 em 8,5% ao ano.

Atualmente, a Selic está em 11,25% ao ano. A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Já quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

domingo, 21 de maio de 2017

313 obras públicas estão paralisadas e/ou inacabadas no RN

Passo a transcrever nota emitida pela Assessoria de Comunicação do Tribunal de Contas do RN:


Num trabalho inédito, o Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN) identificou um potencial dano de R$ 308 milhões investidos em 313 obras paralisadas e inacabadas no Rio Grande do Norte. Os dados integram um relatório sobre obras relevantes, com valores acima de R$ 50 mil, que não foram concluídas em 100 municípios do Estado.

O levantamento foi divulgado pelo conselheiro Tarcísio Costa, na sessão do Pleno de quinta-feira (18/05). Ele determinou, em virtude das conclusões da equipe técnica do TCE, a análise das leis de diretrizes orçamentárias dos entes públicos com o intuito de detectar infrações à Lei de Responsabilidade Fiscal; realização de auditorias específicas em relação aos casos mais relevantes; entre outras medidas.

“No momento da elaboração da lei de diretrizes orçamentárias, os chefes dos poderes Executivo e Legislativo devem observar as disposições contidas na Lei de Responsabilidade Fiscal, de modo que sejam consideradas as exigências necessárias ao atendimento dos projetos em execução e, na elaboração da respectiva lei orçamentária anual, os recursos indispensáveis ao seu prosseguimento e à sua conclusão”, recomenda o conselheiro, no seu voto, acrescentando também “a urgente a necessidade de se promover melhorias nas ações, rotinas e procedimentos relacionados ao controle e ao monitoramento das obras públicas”.

O trabalho, pioneiro no TCE, vem sendo executado pela equipe técnica da Secretaria de Controle Externo (Secex) e Inspetoria de Controle Externo (ICE) desde 2015,  analisando e consolidando informações prestadas  pelos jurisdicionados de 100 municípios, além da verificação in loco de 178 obras, integrando um banco de dados que passa a integrar um acervo do TCE sobre a questão. O orçamento total para essas obras é de R$ 600 milhões, dos quais R$ 308 milhões foram efetivamente investidos. Do total analisado, 182 obras foram caracterizadas como paralisadas (58%) e 131 (42%) inacabadas, sendo que em relação às obras.

Obra paralisada, segundo entendimento utilizado pela equipe técnica, é aquela que por algum motivo, não teve continuidade, mas há perspectiva de retomada. Já obras inacabadas são aquelas que, independentemente da paralisação estão abandonadas  sem previsão de reinício, ou que tiveram seus convênios denunciados (rescindidos), ou que se encontram em demanda judicial, ou ainda que  foram abandonadas pelas empresas contratadas para a execução do serviço.

As obras cadastradas foram classificadas nas áreas de  Educação, Saúde, Cultura, Habitação, Esporte e Lazer; Abastecimento de Água; Drenagem e Pavimentação; Esgotamento Sanitário; Turismo; Estradas e Pontes: Urbanização e Outras (Abatedouros, Parque de Exposição, Terminal Pesqueiro...). A  maior quantidade de obras compreendeu a área de esporte e lazer (17,6%), habitação (15,7%) drenagem e pavimentação (15,3%) .

Frise-se que a principal fonte dos recursos financeiros alocados para a execução dessas obras públicas foi a União Federal, representando 58% (cinquenta e oito por cento), seguindo-se recursos estaduais, na ordem de 37,2% (trinta e sete inteiros e dois décimos por cento), e municipais, correspondentes a 4,8% (quatro inteiros e oito décimos por cento).

Entre os fatores que causaram a interrupção das obras, foram citados: atraso ou suspensão dos repasses de responsabilidade do Governo federal: falta de recursos próprios estaduais; adequação de projetos e/ou planilhas junto a órgão federal; inadequação á legislação sanitária/ambiental; abandono da obra por parte da empresa contratada.

O trabalho abrangeu todas as prefeituras do Rio Grande Norte, além de secretarias estaduais e órgãos da administração estadual indireta. O documento será encaminhado para  o Governo do Estado, Assembleia Legislativa, e todos os órgãos de interesse da administração pública, além de estar disponibilizado para a sociedade, para o efetivo exercício do controle social.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Vera Magalhães reavalia interpretação de deleção da JBS

Rodrigo Maia recusou-se a receber o dono da JBS

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recusou-se a receber o dono da JBS, Joesley Batista, no período em que o empresário se dedicava a grampear conversas com autoridades políticas.
Ou seja: Rodrigo Maia, no mínimo, pulou uma fogueira.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Nota do Palácio do Planalto em defesa de Temer

Nota à imprensa

O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar.

O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República.

O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados. 

Secretaria Especial de Comunicação 
Social da Presidência da República

Dom Jaime leva a Uruaçu cardeais de São Paulo e do Rio amanhã

Os cardeais Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo; Raymundo Damasceno Assis, arcebispo emérito de Aparecida (SP), e Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, estão na capital potiguar, nesta semana, participando do 22º Encontro Nacional de Marketing Católico. A convite de Dom Jaime Vieira Rocha, Arcebispo Metropolitano de Natal, Dom Cláudio e Dom Raymundo vão visitar a comunidade de Uruaçu, no município de São Gonçalo do Amarante, nesta quinta-feira, 18, às 16 horas. Na ocasião, será celebrada uma missa. Na sexta-feira, 19, Dom Cláudio vai conhecer a comunidade de Cunhaú, no município de Canguaretama, onde, às 10 horas, será celebrada missa.

A visita aos dois lugares se dá pela proximidade da canonização dos Mártires potiguares, que acontecerá dia 15 de outubro, em Roma. No engenho Cunhaú, aconteceu o martírio, em 16 de julho de 1645, quando foi morto o Padre André de Soveral e vários leigos. Em Uruaçu, em 3 de outubro do mesmo ano, foram mortos o Padre Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Moreira e outros leigos.

Dom Cláudio Hummes

Gaúcho, Dom Cláudio foi bispo de Santo André (SP), de 1975 a 1996; arcebispo de Fortaleza (CE), de 1996 a 1998, e Arcebispo de São Paulo, de 1998 a 2006. Em 2001, recebeu o título de Cardeal, pelo Papa João Paulo II. No Vaticano, desempenhou algumas funções, entre elas prefeito da Congregação para o Clero, membro das Congregações para a Doutrina da Fé, para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, e para os Bispos, e dos Pontifícios Conselhos para a Cultura, para os Leigos, para a Família e para a América Latina. Atualmente, é presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e reside em São Paulo.

Dom Raymundo Damasceno

Natural de Minas Gerais, Dom Raymundo foi bispo auxiliar de Brasília, de 1986 a 2003, e arcebispo de Aparecida (SP), de 2003 a 2016. Em 2010, recebeu o título de cardeal pelo Papa Bento XVI. Como arcebispo de Aparecida, o cardeal foi anfitrião de dois papas: Bento XVI, em 2007, e Francisco, em 2013.

Entre 2011 e 2015, foi presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). No Vaticano, foi membro do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais e da Pontifícia Comissão para a América Latina. Atualmente, reside em Brasília.
Texto encaminhado pela Pascom-Natal.